Microsoft compra o GitHub: o que muda para os desenvolvedores?

22/07/2018 às 20:06 Ajuda

Microsoft compra o GitHub: o que muda para os desenvolvedores?

Em junho de 2018, a Microsoft anunciou a compra do GitHub por US$ 7,5 bilhões, angariando a maior parte das ações do serviço.

É claro, que a notícia vem tendo um impacto mundial no mundo dos desenvolvedores.

Pouco mais de um mês após a compra e passado o furor inicial, viemos aqui fazer destrinchar um pouco melhor do que muda para os desenvolvedores após a compra do GitHub.

Será que as mudanças feitas pela Microsoft serão boas ou ruins para quem trabalha com programação?

O que é GitHub?

O GitHub é um dos recursos mais conhecidos e utilizados por programadores do mundo, sendo utilizado por grandes empresas há alguns anos, inclusive a própria Microsoft. O serviço tem como função hospedar códigos numa versão open source.

O serviço possui algumas versões para web, tendo opções de repositórios públicos e privados, locais onde os códigos ficam armazenados e são compartilhados com outros desenvolvedores, de acordo com autorizações do autor.

O serviço pode custar até US$ 21 por mês ou até mais, dependendo dos recursos necessários.

Porém, a maioria dos desenvolvedores utiliza a faixa de repositórios públicos e não gasta um centavo com a plataforma, e contam com um espaço para compartilharem e hospedarem seus códigos gratuitamente.

A grande maioria dos projetos do serviço são open source (código aberto), e por isso são hospedados gratuitamente e compartilhados entre a comunidade que conta com desenvolvedores de todas as partes do mundo. Os códigos podem ser inclusive vistos por usuários que não possuem conta na GitHub.

E com base num serviço de qualidade e gratuito, a comunidade open source é a maior do GitHub, tendo cerca de 28 milhões de desenvolvedores, o que fez muitos profissionais da área ficarem preocupados após a notícia da compra do serviço pela Microsoft.

Entre as empresas que fazem parte da comunidade de código aberto podemos citar grandes do mercado como o Google, o Facebook, a Apple e a própria Microsoft.

O motivo dos desenvolvedores confiarem no serviço para compartilharem seus códigos são os níveis de segurança e estabilidade do sistema.

O GitHub sempre foi uma plataforma que tem como principal ponto a manutenção de uma comunidade open source.

Saiba também qual é a melhor hospedagem de site.

Por que a compra do GitHub pela Microsoft não agradou aos desenvolvedores?

A Microsoft já negociava desde o ano passado e em 4 de junho deste ano iniciou o processo de absorção do GitHub, A notícia desagradou a grande maioria dos desenvolvedores, já que os profissionais acreditam que a empresa pode diminuir o potencial e autonomia dentro do serviço.

A revolta dos profissionais tem um bom motivo: Nas décadas de 90 e 2000, a Microsoft sempre se posicionou contra o código aberto.

A empresa defendia a construção de softwares próprios e ignorava a possibilidade da criação de soluções open source no mercado.

De certa maneira, a Microsoft era vista como o grande demônio da programação, tendo como objetivo fortalecer seu monopólio no mundo da programação e soluções online e destruindo as iniciativas open source.

Muitos desenvolvedores começaram a migrar seus repositórios para outras plataformas do tipo como o GitLab, logo após a compra ter sido noticiada na internet.

Mesmo com a migração, o GitHub afirmou que o número de usuários que encerrou sua conta no serviço foi pequeno e que a compra da Microsoft gerou bastante interesse e rendeu novas inscrições na plataforma.

E cá para nós, esse é realmente um bom motivo para desconfiar da empresa após a compra do GitHub, não é mesmo?

O que pode mudar no GitHub?

Em comunicado oficial sobre o assunto, a Microsoft tranquilizou os desenvolvedores e deixou claro que não pretende mudar nada na plataforma.

Em tese, realizar eventuais mudanças de imediato seria um ato bastante impensado da empresa, já que qualquer modificação poderia abalar a forte representação do GitHub no mundo da programação.

Mudar um serviço que já está no ar há mais de 10 anos afetaria a estabilidade e a reputação da plataforma no mercado. O novo CEO do GitHub, Nat Friedman, nomeado pela Microsoft, afirmou que não haverá mudanças.

Friedman sempre foi favorável a manutenção da comunidade open source no GitHub, do qual faz parte desde 2009.

Na nota da empresa, o CEO afirmou que manterá a plataforma aberta ao uso da comunidade open source, ou seja, nada muda.

O que pode acontecer é a adição de mais serviços para os desenvolvedores. O GitHub seguirá como uma subsidiária da Microsoft tendo 100% de independência e autonomia.

O fato é que até o momento nada mudou na plataforma. É impossível prever o futuro, mas muitos especialistas não veem motivo para mudanças drásticas no GitHub por parte da Microsoft.

Em relação aos usuários do serviço, houve uma divisão entre os que gostaram do comunicado e os que seguem desconfiados e preferem esperar para ver o que vai acontecer.

De fato, não há muito o que se possa fazer a não ser esperar. De certa forma, é possível acreditar que tanto a Microsoft como o GitHub devem aproveitar a chance para crescer no mercado.

Transações do gênero (onde empresas maiores compram empresas menores ou vice-versa) costumam a acontecer corriqueiramente no mercado e em grande parte não são consideradas ruins.

O que resta aos desenvolvedores que utilizam o serviço é confiarem nas decisões da Microsoft em relação ao GitHub, torcendo para que a empresa não busque destruir a forte iniciante open source na plataforma, como muitos imaginam.

E você, o que achou da notícia?

Gostou? Confira mais sobre programação em nosso blog. Conheça o nosso serviço de Hospedagem de Site.

Gostou de nosso post? Compartilhe: