Melhores práticas no Universo Online: O que uma PME deve saber

02/12/2018 às 12:07 Ajuda

Melhores práticas no Universo Online: O que uma PME deve saber

Assim como todo o universo dos negócios, as pequenas e médias empresas (PMEs) migraram para o universo online e, junto a isso, incorporaram novas práticas comerciais ao lidar com seu público-alvo na oferta de seus serviços e produtos virtualmente.

Dessa maneira, desde a criação de seu negócio ao planejamento e à execução de suas práticas, há maneiras de se obter sucesso nesse trâmite.

As etapas básicas para que uma PME esteja na internet são parecidas com o comércio físico, precisando da elaboração de um plano de negócio, definição de um público-alvo, estratégias de marketing e de divulgação bem definidas e da formalização da marca.

Em vez de um ponto comercial físico, escolhe-se um site ou outra plataforma para hospedar o seu negócio online e, no lugar da TV, teremos as postagens, anúncios ou resenhas nas redes sociais, para disseminar a marca.

1 – Foque no público-alvo e no seu objeto:

O que vender e para quem vender?

É preciso identificar qual é o seu nicho de mercado, ou seja, quais são seus potenciais consumidores e o que o mercado necessita.

O perfil de seus clientes deve ser muito bem traçado, ele deve ser atendido e ser satisfeito com sua loja online. Na loja, ele deverá encontrar aquilo que deseja à disposição e com as melhores condições de sua aquisição. Ele deve querer voltar ao site e indicá-lo em suas redes sociais.

Não se vende para todo mundo! Os clientes devem ser fidelizados em sua especificidade.

A pesquisa de mercado funciona muito bem nesse sentido, abrangendo o estudo do perfil das empresas concorrentes, seus valores e a qualidade do produto e do atendimento prestados.

Quando a PME frisa algo em sua empresa, a marca é imediatamente associada a isso, logo, fica mais fácil memorizá-la positivamente, influenciando no poder de decisão de compra do consumidor: se você, mulher e dançarina, quer uma calça de balé, você prefere uma loja com todo tipo de roupas e acessórios ou prefere a uma loja especializada em calças femininas de balé?

Todas as estratégias de marketing que serão desenhadas em favor da disseminação de sua marca serão voltadas para o alcance de um público específico, seus clientes em potencial, a fim de que eles sejam realmente convertidos em compradores.

Com a coleta de dados sobre os usuários e os visitantes de seu site e de suas redes sociais, por exemplo, é possível que sejam reunidas informações para futuras campanhas, para que elas direcionem sua marca a quem de fato se afina a ela.

2 – Atenção ao seu plano de negócio

Antes de colocar sua ideia em prática, um planejamento é preciso. Com ele, a chance de imprevistos ou de riscos desnecessários surgirem é menor.

Um plano de negócios deve conter as informações financeiras com as despesas obtidas de um comércio virtual, o passo a passo de como alcançar os objetivos, suas metas e estratégias, informações sobre o público-alvo, sobre a disponibilidade da equipe e sobre as ferramentas que estão disponíveis para sua execução.

3 – Abrindo a PME online

Para quem tem um faturamento anual de até sessenta mil reais, registrar-se como Microempreendedor Individual (MEI) é uma boa ideia. As taxas são baixas e a adesão é virtual.

Já quem excede esse rendimento, a alternativa é a mesma de uma empresa física, com registro habitual junto à Receita Federal. Além da contratação de uma empresa de marketing digital para cuidar da presença digital da marca, recomenda-se a aquisição de um contador próprio.

A marca, ao ser criada, deve ser registrada, assim como a aquisição de seu domínio online deve ser logo providenciada.

Algumas táticas de SEO dependem consideravelmente dessa escolha, quando todo o conceito que é pensado em torno da marca atrai o tipo adequado de consumidor.

Os planos básicos de hospedagem de site trazem o produto ideal para quem está começando na internet, os planos são a partir de R$ 9,90 (pagamento mínimo trimestral para esse plano), conheça já!

4 – Crie o seu site

A loja online precisa de uma plataforma, uma ferramenta da internet que cria e mantém um site próprio.

Ter um blog e as demais redes sociais associados a uma marca são pontos importantes também.

Mas não basta criá-los! Pagas ou gratuitas, as plataformas são essenciais para o sucesso de qualquer marca online, pois, esse espaço é o que associa a proposta de seu negócio ao seu cliente.

A escolha se baseia na necessidade e no propósito da marca, de modo que as ferramentas que ali estão disponíveis atendam a esses pressupostos.

Leia o nosso post e descubra que: WordPress é perfeito para pequenas empresas!

É necessário também que essa plataforma seja personalizada, tenha um design aprazível, um conteúdo de qualidade, uma mídia que seja navegável e que contemple canais de comunicação com o cliente.

A logo da marca, assim como seu domínio, é a identidade dela e, junto a seu prestígio, é o que traz qualidade ao negócio. A contratação de um profissional web designer é importante nesse ponto, já que é ele que vai personalizar o layout da página, fotografar, precificar e cadastrar os produtos no site.

5 – Priorize o marketing digital.

A divulgação de sua marca depende de sua capacidade de atrair os clientes.

Há oferta e há demanda, é preciso juntá-los na internet, é preciso levar o que se quer a quem quer: e é isso que o marketing digital faz!

As estratégias de divulgação que são montadas pelas equipes de marketing levam em consideração a maneira mais rápida e acessível de entregar ao cliente o que ele deseja, ao mesmo tempo em que confere à marca uma identidade diferenciada e aprazível que, depois da compra, faz com que o cliente retorne e indique sua compra, fidelizando-o.

Os produtos e serviços oferecidos pela PME vão aonde o público-alvo está.

Por exemplo, se a marca tem uma página no Facebook, seu sucesso é medido pelo número de seguidores, pelas postagens comentadas, curtidas e pelos vídeos de resenhas compartilhados.

Uma vez que essas são estratégias de divulgação entregues ao público que se interessa e que se converterá em consumidor. Os links patrocinados do Google, anúncios dentro da página do Facebook e em sites de comparação de preços, por exemplo, costumam funcionar muito bem.

Os resultados do investimento em marketing digital devem ser acompanhados, seu retorno será essencial para a continuidade das estratégias, mantendo-as, mudando-as parcialmente ou as eliminando de vez.

Quais desses canais gera mais vendas a minha marca?

Com seu crescimento, no decorrer do tempo, é preciso passar a se pensar em estratégias de crescimento orgânico, de modo que não se gasta tanto para atrair novos seguidores, já que a marca vem se consolidando no ambiente virtual.

6 – Como pagar?

A ideia é que seja oferecido em sua PME virtual o máximo de possibilidades de formas de pagamento aos seus clientes, de modo que todos sejam contemplados e que o consumidor não desista da compra exatamente na hora de pagar, porque só trabalha com cartão de crédito e sua loja só gera boleto.

Cartão de crédito é um dos métodos mais usuais, com a possibilidade de dividir a compra em parcelas e de usar mais de um cartão, por exemplo.

A conexão é segura e a PME paga uma tarifa mensal pelo serviço.

Já o boleto bancário é exatamente voltado para os consumidores que não têm cartão de crédito ou que ainda não se sentem seguros realizando transações financeiras pela internet. A PME também paga uma pequena taxa por cada boleto gerado.

A transferência bancária é uma boa opção, especialmente se a PME trabalha com vários bancos, abrangendo mais cliente que querem transferir de banco a banco o pagamento ser ter de pagar nenhuma taxa.

Além do mais, tem o PayPal e o PagSeguro, por exemplo, que são facilitadores de pagamento, pois, contam com um ambiente seguro em que o cliente fornece os seus dados para pagar com o cartão de crédito ou com o saldo que tenha disponível, transferindo diretamente para a conta da empresa.

7 – Foque na logística

A entrega dos produtos e serviços oferecidos pela PME online ao cliente funciona muito bem junto aos Correios.

Quando a demanda é menor, o próprio responsável leva seus pacotes a uma agência e despacha de lá, todavia, quando os pedidos começam a crescer, algumas parcerias vão sendo criadas entre a marca e os Correios.

Havendo período e quantitativo de coletas e de tipos de entrega. O site da loja geralmente disponibiliza a opção em que o cliente acompanha o deslocamento de sua entrega.

Uma empresa de logística também é uma boa ideia, especialmente em datas comemorativas, quando os Correios estão sobrecarregados.

8 – Trabalhe com outros canais de atendimento ao consumidor

Nesse caso, estamos falando dos chats, e-mail e telefone em que a marca se coloca à disposição para as necessidades de seus consumidores.

Os canais são uma espécie de contrapartida dos clientes para a loja, de modo que elogios, sugestões e reclamações devem ser atendidas e usadas na lida com suas atuais estratégias.

Ao ser atendido com destreza, o cliente se sente próximo e seguro, sente-se realmente relevante para a marca que, por sua vez, é associada à credibilidade e transparência.

Essa é uma tática de humanização do comércio e pode ser expansiva às redes sociais, ao blog e ao site, por exemplo.

Gostou de nosso post? Compartilhe: